Academia Petropolitana de Letras
Menu Dropdown - Linha de Código

 

Memória Acadêmica
JOSÉ BENTO DE FREITAS MELLO

Alagoano de Traipú, nasceu José Bento de Freitas Mello no ano de 1885, filho do capitão José Bento de Freitas Mello e de Maria Febrônia de Freitas Mello. A família mudou-se para Penedo e, em seguida, fixou-se em Salvador, Estado da Bahia. O jovem não completou os estudos nos colégios baianos e, em 1906, com 21 anos de idade, veio para o Rio de Janeiro para tentar a sorte, empregando-se no comércio e, após conseguindo lugar no funcionalismo municipal do Rio de Janeiro, onde fez carreira, aposentando-se com 30 anos de serviço. Trabalhando a estudando, completou o curso superior de Odontologia e, em seguida, o de Direito, ambos na Universidade do Brasil. Dedicou-se à imprensa, que muito apreciava, secretariando a “Gazeta Municipal, órgão dos funcionários municipais cariocas onde escreveu elogiadas crônicas.Palavra fácil, aprimorada inteligência, foi emérito orador.Não se dedicou às profissões nas quais se graduara, preferindo crescer na administração pública e nas atividades literárias. Deixou copiosa soma de trabalhos na imprensa, publicando um opúsculo: “Minha Autobiografia”. Escreveu para “A Aurora”, na Bahia; “O Lutador”, “O Nacional” e “A Semana”, em Penedo; “A Reforma”, “Jornal do Brasil”, “Jornal do Comércio” e “O Brasil Odontológico”, no Rio de Janeiro. Fixando residência em Petrópolis, escreveu nos principais órgãos da imprensa petropolitana: “Pequena Ilustração”, “Tribuna de Petrópolis” e “Jornal de Petrópolis”. Na noite de 3 de agosto de 1922, trazido pela mão de seu fraterno amigo Joaquim Heleodoro Gomes dos Santos, estava na reunião que fundou a Associação Petropolitana de Ciências e Letras, a nossa hoje Academia, onde desempenhou papel fundamental na organização da entidade, sendo eleito 1º Vice-Presidente da 1ª Diretoria e assumindo a presidência, complementando o mandato que fora de Eugênio Lopes Barcellos. No ano de 1923 integrou o Conselho Deliberativo. Já na Academia Petropolitana de Letras, em 1934, quando foram definidas as cadeiras numeradas com patronos fixos, Freitas Mello ocupou a de nº 7, escolhendo para patrono Rui Barbosa, ao qual devotava santa admiração. Foi um dos grandes nomes da Academia nos anos da formação e sedimentação. Casou com Maria Carmem, filha do respeitado professor Narciso Batista de Oliveira, deixando descendência. Faleceu na primavera de 1954, aos 69 anos de idade.


Academia Petropolitana de Letras

© 2014 - Academia Petropolitana de Letras
Todos os direitos reservados