Academia Petropolitana de Letras
Menu Dropdown - Linha de Código

 

Memória Acadêmica
FELISBERTO MONTEIRO RIBEIRO NETTO

O grande advogado, magistrado e cultor das letras, Dr. Felisberto nasceu a 12 de fevereiro de 1917, na zona rural de Miracema, no Estado do Rio de Janeiro, filho de Arthur Monteiro Ribeiro da Silva e Maria José Monteiro Ribeiro, casal que teve 14 filhos, o último nosso acadêmico. Apesar de família modesta, o casal conseguiu educar e formar a prole. Felisberto seguiu a carreira jurídica, bacharelando-se em Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade de Direito de Niterói, no ano de 1938. Contava 21 anos de idade e sempre fora aluno dedicadíssimo. Além da atividade de advogado, mercê de sua invejável cultura, foi professor do ensino secundário e, mais tarde, no ápice da carreira de Magistrado, lecionou na Faculdade de Direito da Universidade Católica de Direito a cadeira da qual era grande mestre, Direito Processual Civil. Advogou por 13 anos e na magistratura atingiu a 1ª vice-presidência do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Veio para Petrópolis, onde assumiu a titularidade da 1ª Vara Cível, aqui passando a residir com a esposa D. Lygia Maria Boechat Ribeiro e as quatro filhas Marília, Maria Inês, Lygia e Maria José, todas professoras. Ingressou na Academia Petropolitana de Letras, na cadeira nº 18, patrono Barão do Rio Branco, empossado a 12 de junho de 1976. Desde 1997 era titular do Conselho Fiscal. Recebeu expressivas homenagens: a Medalha do Mérito Judiciário; o título nº 1 de Miracemense Ausente, em cujo Fórum está sua efígie em bronze; membro da Academia Friburguense de Letras; membro honorário da Academia Petropolitana de Letras Jurídicas; e a mais alta condecoração de Petrópolis, a "Medalha de Köeler". Faleceu no último dia 5 de novembro, aos 84 anos de idade. Deixa um exemplo de dignidade, amizade, companheirismo e a imagem de um homem de grande bondade e justo, mestre do Direito e da vida, fervoroso católico, de muita fé a imenso amor cristão. Acadêmico atuante e interessado, era presença loquaz e viva nas assembléias e reuniões culturais.


Academia Petropolitana de Letras

© 2014 - Academia Petropolitana de Letras
Todos os direitos reservados