Academia Petropolitana de Letras
Menu Dropdown - Linha de Código

 

Memória Acadêmica
ARTHUR BARBOSA

O jornalista Arthur Alves Barbosa nasceu em Niterói a 17 de maio de 1868, então capital da Província do Rio de Janeiro. Na cidade natal cursou as primeiras letras e com o colega Antônio Parreiras, mais tarde o consagrado pintor brasileiro, criou um jornal manuscrito. Na Corte do Rio de Janeiro fez estudos secundários no rigoroso Colégio São Bento, com excelente aproveitamento. No ano de 1883, aos 15 anos de idade, inscreve-se na Faculdade de Direito de São Paulo. Espírito crítico e inflamado fez-se solidário com colegas em questões internas da Faculdade, sendo obrigado a abandonar o curso. Prestando concurso para ingresso na Fazenda Estadual de São Paulo foi classificado em 1º lugar, exercendo a profissão por alguns anos mas, também, demitindo-se em solidariedade a colegas prejudicados pela política paulista. Passa ao exercício do jornalismo, sua verdadeira vocação, escrevendo no "Diário Popular", "Diário Mercantil" e "Correio Paulistano". Mudando residência para o Rio de Janeiro, participou da fundação da revista "Vida Semanária", com Olavo Bilac. Retornando a Niterói, tornou-se funcionário do Tribunal da Relação, acabando por subir para Petrópolis, acompanhando a repartição quando da transferência da capital fluminense para a nossa cidade. Aqui fixou-se e abraçou em definitivo o jornalismo. Com Arthur de Sá Earp, Martinho Moraes e Hermogênio Silva atuou na "Gazeta de Petrópolis". Em 1902 estava na fundação da "Tribuna de Petrópolis", como redator e, mais tarde, tornando-se proprietário da folha, tornou-a diária a partir de 1906, uma grande ousadia na época e que muitos apostavam que não vingaria. Na política, foi vereador, presidente da Câmara, portanto Chefe do Executivo, de fevereiro de 1913 a abril de 1916. Sua maior realização foi o completo ajardinamento da Praça da Liberdade, a construção do rinque de patinação, do coreto e do bar, com inauguração em memorável festa popular. Criada a Prefeitura, em agosto de 1916, como presidente da Câmara, exerceu, o cargo de prefeito interino de 8/8 a 30/9/1918 por licenciamento de Oscar Weinschenck; foi eleito prefeito pelo voto popular mas não assumiu por questões políticas. Por duas legislatura foi deputado estadual. Publicou os livros "Rosal"(crônicas) e "Amores de Deodato e Madalena"(novela). Dramaturgo, viu representada no "Cassino", a peça "A Normalista". Casado com Leonor Campos Barbosa, não teve filhos, porém adotou um menino ao qual o casal prodigalizou belo futuro, o comerciante Sylvio Barbosa Bentes, fundador da firma "Barbosa Bentes & Cia", primeiro representante da Ford Motors Company em Petrópolis. Arthur Barbosa ingressou na Academia Petropolitana de Letras em seus primeiros dias, participando da 2ª Diretoria, ano de 1922, no Conselho e 1º secretário (1924). Foi titular a cadeira nº 2.patronoRaul Pompéia. Faleceu aos 79 anos de idade, no dia 24 de novembro de 1947. Foi marcante personalidade de nossa história petropolitana.


Academia Petropolitana de Letras

© 2014 - Academia Petropolitana de Letras
Todos os direitos reservados