Academia Petropolitana de Letras
Menu Dropdown - Linha de Código

 

Memória Acadêmica
OCTÁVIO L. DE MORAES

Octávio Leopoldino Cavalcanti de Moraes, pernambucano de Caxangá, arrabalde da capital Recife, nasceu a 23 de fevereiro de 1900, filho de Leopoldino Cesar de Souza Moraes e Thereza de Jesus Cavalcante de Moraes. Cursou a Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais, hoje a Faculdade de Direito da Universidade de Pernambuco, bacharelando-se no ano de 1936.

Apaixonado por política foi eleito vereador à Câmara Municipal de Recife, empossado a 15 de agosto de 1936, atuando por duas legislaturas, aparecendo como Líder da Maioria e 1o secretário. Concursado, a partir de 1921, como funcionário federal dos Correios e Telégrafos, acumulou funções com o cargo de Promotor Público da comarca de Caruaru no ano de 1930. Em seguida exerceu suas funções federais em várias cidades do Nordeste e do Sul, vindo para o Estado do Rio de Janeiro, servindo primeiro em Nova Friburgo, a partir de 1940, onde iniciou atividade em uma outra paixão, o jornalismo, escrevendo para "A Paz", de Galdino do Valle Filho e, por último, 1944, assumindo a chefia da Agência dos Correios em Petrópolis, onde se fixou definitivamente.

Passou a colaborar com a imprensa petropolitana, integrando a redação e direção da Tribuna de Petrópolis, do Jornal do Povo e do Jornal de Petrópolis. Foi sua oportunidade de criar e manter por muitos anos as colunas fixas: "Assim são as Coisas" (Tribuna); "Assim é a Vida" (Jornal do Povo), e "Pontos de Vista" (Jornal de Petrópolis). Após meritória carreira federal, aposentou-se como Diretor Regional dos Correios e Telégrafos a 5 de julho de 1958.

Casou com Maria de Lourdes Carneiro de Souza Moraes, casal premiado com um filho, o excelente advogado Felinto Leopoldo de Souza Moraes, em atividade em nosso Estado. Octávio L. de Moraes recebeu muitas homenagens em vida em seus 50 anos de advocacia, tendo sido homenageado pelo Sindicato dos Têxteis com seu retrato em bronze e seu nome dado ao grande salão de reuniões daquele órgão classista, já que Moraes foi um ferrenho defensor da classe operária de Petrópolis.

Em 1985 reuniu crônicas sobre a II Guerra Mundial, em um livro "Ecos da II Guerra Mundial" que alcançou grande sucesso. Líder dos advogados foi o 1o presidente da OAB, 3a subseção de Petrópolis.

Em nossa Academia foi titular da cadeira 35, patrono Visconde de Taunay, empossado a 18 de abril de 1948. Foi presidente no biênio 1954-1955, tendo como companheiros de Diretoria José Kopke Fróes, Jorge Ferreira Machado, Mário Cruz, Virgínio de Moraes e Plínio Olintho. Era assíduo às reuniões e assembléias ordinárias e festivas, discutia, sugeria, dinâmico e interessado sempre.

Faleceu a 21 de junho de 1990, aos 91 anos de idade, sucedendo-o o acadêmico Arnaldo Rippel Barbosa.


Academia Petropolitana de Letras

© 2014 - Academia Petropolitana de Letras
Todos os direitos reservados