Academia Petropolitana de Letras
Menu Dropdown - Linha de Código

 

Memória Acadêmica
MURILLO FONTES

Filho do grande cientista petropolitano Antônio Cardoso Fontes, nasceu Murillo Cardoso Fontes no Rio de Janeiro, em Vila Isabel, no início do século XX. Como o pai seguiu a carreira da Medicina e, também a das letras e, principalmente, no suave terreno da poesia. Com seu pai, a mãe e três irmãos, fixou residência em Petrópolis, a partir de 1907, residindo na casa paterna na Castelânea, na proximidade da Praça Pasteur e frequëntando a rede escolar petropolitana. Formou-se em Medicina pela Faculdade Nacional, passando a clinicar em Petrópolis e no Rio de Janeiro, principalmente na Clínica Gaffrée-Guinle e como interno da Inspetoria de Moléstias Venéreas do Rio de Janeiro. Foi para Santos, no Estado de São Paulo, retornando ao Rio em 1929, onde fixou-se e passando muitos dias nos verões petropolitanos. Fez parte do Corpo Médico do Hospital São João Batista, da Lagoa do Sanatório de Curicica o do Instituto Oswaldo Cruz, do qual seu pai fora expoente, auxiliar direto e sucessor de Oswaldo Cruz. Ali foi mestre do Centro de Pesquisas. No ano de 1922, a 3 de agosto, muito jovem, uniu-se ao grupo de poetas, escritores e jornalistas para fundar a Associação, hoje Academia Petropolitana de Letras. Radicado profissionalmente no Rio, afastou-se da Associação mas retornou ao sodalício no ano de 1938, eleito e empossado na cadeira nº 38, patrono Casimiro de Abreu, com a honra de sentar-se ao lado de seu pai, acadêmico titular da cadeira nº 39, patrono Padre Moreira. Poeta inspirado, produziu belíssimos poemas, que publicou nos livros: "Alma de Boêmio (1923)", "Fatalidade (1927)", "Sinos da Tarde (1958)" e "Sombras que Falam (1975)". Produziu ensaio de crítica literária: "Dois Poetas (1973)" e um alentado e belo volume biográfico sobre seu ilustre pai: "Vida e Obra de Antônio Cardoso Fontes 1979)". Notável orador proferiu palestras, conferências e foi o orador oficial do Jubileu de Ouro da nossa Academia, no ano de 1972. Falou para plenários norte-americanos, vienenses e na Unesco em Paris. Deixou muitos livros inéditos. Faleceu no Rio de Janeiro no ano de 1985.


Academia Petropolitana de Letras

© 2014 - Academia Petropolitana de Letras
Todos os direitos reservados